Postagens

Mostrando postagens de Novembro, 2010

Tempo perdido

Hoje não adianta ouvir as coisas que há tempos atrás fariam diferença. São frases ditas na hora errada. E atitudes tomadas tarde demais. Num passado não tão distante, suas palavras foram como duras pedras que me deixaram marcas que não saram mais. Você me deixou com tantas perguntas sem respostas. Foi tempo perdido acreditar que contigo o mundo seria diferente. Não consigo fingir que nada aconteceu. Superei sim, virei a página, mas não dá pra simplesmente falar oi, depois de tudo que foi "vivido". Durante meses rezava ouvir pelo menos um "te adoro" e nada. Hoje, que aprendi viver sem ti, nem bom dia quero escutar. Não temos mais compromisso, então não fale por aí do que desbotou. Não restou amor, nem compreensão, paixão ou puro tesão. És uma vaga lembrança, que tinha virado história. Entretanto hoje você me "escreve" as coisas que eu sonho "ouvir". Apresenta um eu diferente, como se fosse uma nova trama se iniciando e eu, apesar de ter certeza d…

Flores, Amores e Blá Blá Blá

Sempre desejei encontrar o verdadeiro amor. Aquele que me faria perder os sentidos. Entretanto ele ainda não apareceu. Acredito que todo mundo quer um alguém para amar, mas já me deparei com pessoas que percebia-se que tinham medo desse amor. Eu cresci ouvindo anedotas, clichês, chacotas e me deparei com diversas frustrações. Tantos romances que me desconstruíram, já até perdi a conta. As mesmas histórias, os mesmos enganos. Como um seriado em que tudo se repete, exceto o protagonista. Quando nos apaixonamos, tudo são flores, amores e blá blá blá. Mas no meu caso, não ouve somente isso. Ainda lembro as angústias, a solidão e a dor. E até as pseudos tatuagens em minha pele. Talvez ainda estejam até visíveis nos meus olhos. Os buracos que cavei, nem quero rever. Não esqueço as vezes que rasguei minha alma e como um suicida pus fogo nas minhas próprias opiniões. Porém agora percebi que não gosto de masoquismos. Não quero mais fazer da minha vida sentimental uma aventura radical, começo a…

Folha em Branco

Ontem me lembrei de suas palavras, que cortaram minha alma como facas. Tirou-me o chão. Sinto-me como uma estátua, no meio da chuva numa grande e velha cidade. Acreditei ter superado toda história. Deletado todas as mentiras e humilhações da memória. Entretanto ao te ver o Deja vu aconteceu. Já aceito que pra você não foi nada tão sério. Desprezou quem te deu o maior valor, mas a vida é assim. Bela, mas cruel. Porém o mais importante é que cada dia temos uma nova oportunidade, uma nova folha em branco. E só depende de nós escrevermos o que vem pela frente. E quanto a você mentiroso e patético, que me fez resmungar as velhas coisas amargas, já é uma página amassada e atirada em uma lareira. Afinal fiz tudo por você e nada fez por mim. Então tinha que ser assim. Agora vou escrever o futuro.