Devaneio em forma de poesia

Não sei se é do conhecimento de todos que me conhecem, mas eu escrevo. As palavras vem a mim naturalmente, são pensameentos, devaneios que me fazem companhia. A relação entre a caneta e o papel, para mim, é cativante. Posso intitular cada texto, seja poema ou prosa, como "meu momento", pois são verdades próprias.
E hoje vou dividir com vocês, meus leitores, um desses meus poemas.

O tudo e o nada (Delduque Avelino)

As tristes lembranças insistem em me atormentar
Fazem minhas lágrimas brotar
Como eu sinto sua falta
Peço a Deus todos os dias pra estar contigo de novo
O que posso fazer?!
Se errei foi por amor
Amor a você
Na verdade todos os erros cometidos
Na loucura da paixão
Também são culpa sua
Que sempre me usou
Sempre me fe
z ter esperança
E acreditar que um dia
Iria me fazer feliz
Como se faz a uma criança
Porém tudo foi surreal
Senti por ti um amor sem igual
Mas enquanto pra mim você era tudo
Pra você eu era um nada
Mesmo assim ainda penso em você
Porque independente de qualquer coisa
Eu amo tanto você
E só por você eu sei viver


Comentários

thaina disse…
Del parabéns pelas lindas palavras!!! Você é um autêntico romântico da segunda geração, sempre falando de amor!!!

Adoro você
Tatá
Anônimo disse…
Adorei a poesia, pra mim tem um significado especial,traduz coincidentemente uma situação que passei por um longo período. É sempre bom quando nos identificamos como uma letra de música, um poema, em fim, é uma forma de desabafo. Beijão, vc é d+¹
Anônimo disse…
Del esqueci de assinar o comentário acima ( o segundo). Silma, bjs.

Postagens mais visitadas deste blog

Sou de gêmeos

Está demorando eu te esquecer

Antes do fim