Herói e vilão

A dor lateja em minha alma e, que pena, não é uma dor física, pois se fosse qualquer consulta com especialista cessaria. Com uma medicação certa, logo passaria. Mas a dor é na alma. A tristeza me consome, por conta dessa incansável busca do amor. Sonhei com romances duradouros, relações com momentos dignos de novela das oito. Porém até o presente, só passei pelas duras pedras. A cada dia uma nova decepção, uma nova derrapagem no precipício. Não tenho ânimo para mais nada, conhecer alguém então?! Nem pensar, pois do que adianta se semanas depois os acordes de uma triste canção anunciarão um novo fim. Mas ainda creio nas pessoas, vejo saída no fim da estrada. O racional e o emocional travam uma guerra dentro de mim. O lado adulto luta contra a criança que ainda habita em meus pensamentos, está presente em minhas atitudes. Admito que me apaixono – ou me encanto – fácil. Às vezes um mero oi já é porta de entrada para interesses futuros, que o cupido faz o favor de só fazê-los desperta em mim. Nunca consegui separar o amor do prazer, não sou do tipo que encara uma ficada como uma aventura e nada mais. Sempre me apaixono, sou intenso, preciso sempre estar apaixonado. Sou movido pelo amor, creio nele. Já disse “eu te amo” num primeiro encontro e – acreditem – não me arrependo, não deu certo, não era pra ser, entretanto naquele instante era isso que sentia. Sou o herói e o vilão de minhas próprias histórias. É como se eu em meu jardim só nascesse às flores do mal. Meu coração ainda insistem em bater por pura insistência. Só queria ter a felicidade de viver um amor sincero, que faça ir às nuvens. Não quero apenas um beijo, um abraço ou resolver um desejo sexual. Quero aquele beijo, que o ser amado me declame Shakespeare. Sei que muitos me julgam, não entendem esse meu jeito peculiar, mas o que posso fazer, só sigo meu coração sempre. Não sou do tipo que houve a razão. Para mim, sexo, fazer amor, namorar, ficar, tudo envolve um único ponto. A procurar pelo amor, a tal chance de encontrar a cara metade, alma gêmea e outras infinitas definições. Até quando estarei nessa busca insaciável não sei, mas sei que nunca mudarei, por mais que eu sofra, viva com o coração partido por conta das anedotas, quimeras e meros clichês, quero ser sempre assim. Não quero deixar de me entregar, quero crer no amor, entrar por inteiro numa relação, vivendo cada momento intensamente.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Sou de gêmeos

Está demorando eu te esquecer

Antes do fim