Inevitável

Nas última vinte e quatro horas tenho pensado que novamente levaram minha paz, roubaram meu sorriso e apagou-se o brilho do meu olhar. Novamente me abandonam no melhor momento, depois de eu me doar, até perceber que não valeu a pena. Não sei onde tenho errado, no silêncio da noite tenho chorado. Aquele choro mais profundo, seguido de soluços e olhos inchados. É uma ausência que sinto em meu peito. Acho que ainda não estou adulto o suficiente para brincar longe do meu quarto, do quintal. Foi mais uma paixão ardente, mas uma daquelas dores que parece não ter fim. Na verdade nem sei o que foi. Talvez tenha sido a minha louca vontade de estar envolvido com alguém, de ser vencido por um olhar, de me apaixonar perdidamente. De ser tomado por uma mão, de perder o raciocínio ao lembrar de um sorriso. De arrumar um motivo a mais para me animar, de me produzir mais, de ler uma poesia e saber que posso vivê-la. Ando a procura de um amor irremediável, desses que a gente não cura porque não quer. Não era você. Foram sentimentos e pensamentos provisórios. Agora quem vai segurar minha mão quando o pânico apontar?! Mas pensando bem, é até melhor assim. Cansei de me contentar com restinhos. Se sou inteiro, quero alguém inteiro. Não deu certo, que pena! Hora de esquecer o que ficou. De catar os cacos. Que culpa. Foi mais uma ínutil tentativa de olhar a vida com os olhos do outro. Mas agora é seguir em frente. Cabeça erguida. E apesar dos pesares dos dias tudo vai fluir bem, eu sei que vai.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Milhões de vezes

As coisas que nunca te disse

Eu amei te ver