Meu momento



Queria conseguir não me apegar a ninguém. Deixar o coração tranquilo, sem pressa e ansiedade. Não buscar a paixão a qualquer preço. Quero achar alguém interessante, ainda procuro a outra metade, mas sem pressão de tem que dar certo. Quero deixar acontecer, chega de meter os pés pelas mãos. Quero fincar os pés no chão como se tudo fosse virando uma armadilha em que eu esteja prestes a cair. Cansei de não me proteger de me machucar todas às vezes, ferir mesmo. Agora preciso do retorno, de quem realmente gosta de mim. É involuntário, é minha defesa, estou tentando. Já pensei até em não me entregar a mais ninguém. Qualquer possibilidade de amor, no momento, me deixa inseguro. Quero ser diferente, cansei de ser previsível. Agora pra segurar minha mão e andar ao meu lado tem que superar minhas expectativas, tem que provar que me ama que irá me fazer feliz, mesmo momentaneamente. Cansei de ser traduzível, não quero mais ser simples, nem fácil. Agora fujo às regras. E na verdade nem acho isso bom, não queria perder minha essência de confiança, na crença no amor. Mas sou aquele que o tempo moldou e esse é o meu momento. Gosto de sorrisos, abraços, beijos, carinhos, conversas e laços que não sejam tão apertados a ponto que eu não possa desamarrar. Ainda gosto. Só não busco mais isso desesperadamente. Finalmente vou seguir o conselho do Mário Quintana, vou cuidar do meu jardim, pra que as borboletas possam vim até ele.  

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Milhões de vezes

As coisas que nunca te disse

Eu amei te ver