Depois do fim

Então, mais uma vez, foi como se tivesse vivido nada. Um beijo, um abraço, depois me toco e caio na real. Acabei me apaixonando pela pessoa que inventei. Não bastam apenas carinhos, arrepios, borboletas no estômago. Não basta apenas o físico, é preciso também sentir. Eu quero te ver e você enumerando nossas diferenças e motivos para não dar certo. Não ia as festinhas comigo, preferia seus amigos. Enquanto eu abandonava os meus, pra viver a sua vida. Você ia curtir e eu em casa, intercalando entre meus livros e discos. Dizem que "os opostos se atraem", mas não necessariamente dão certo e tem um final feliz. A última vez que nos vimos, já sabia o que era melhor a fazer. O fim era inevitável, antes que eu me machucasse um pouco mais. No meu IPhone está tocando a nossa canção e troco de faixa, chega de tristeza, nada de relembrar os momentos, já chorei o suficiente. O silêncio e a solidão, me fazem bem. Definitivamente, agora é o fim. Não me arrependo, pois posso afirmar que eu tentei. Lutei por você. Fracassei, mas tentei. Como diz aquele velho clichê, "não era pra ser". Você esqueceu de se importar, cansei de me contentar com o pouco que dá. Seu meio sorriso agora, é desnecessário. Com certeza, a vida tem um plano melhor pra mim, depois desse fim! 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Milhões de vezes

As coisas que nunca te disse

Eu amei te ver