Último Pedido

Eis que estou pensando em escrever pela última vez. Tenho sentido vontade de me despedir, pois cansa acordar todos os dias e fingir o sorriso perfeito. Bate em meu peito uma vontade de sumir daqui e assim encerrar todo o talvez. Procuro a coragem de abraçar, como último pedido, meus pais e dizer obrigado, porque mesmo o mundo não sendo tão bom, valeu a pena ter nascido. 
Enquanto muitos vão me julgar, dirão que eu era um sortudo, porém ninguém sabe o quanto eu choro, durante a noite. Carregando um coração solitário e sentindo falta de tanta coisa, que nem eu mesmo sei o que é!
Só digo que, enfim, a dor venceu. Que vontade de embarcar logo, para o lado de lá. Quem sabe de lá, eu vejo que nem era tão ruim, apesar de tudo chegar ao fim, como num filme. E o meu encerra, sem o felizes para sempre. Somente por isso, dá um rompante sem pensar, em me jogar até o outro plano chegar, assim evitando o clichê da piedade. Porque é isso que sinto, quando alguns falam comigo. Parecem que seguem a risca a lição do Renato que é preciso amar as pessoas, como se não houvesse amanhã e assim, me amam. Mas o meu amanhã, não chegará, pois assim como ele, o que quero é o perigo e sangrar sozinho, até o fim. 
Entretanto não será hoje. Quero ao menos, pela última vez, ouvir as melodias de Marisa, ler as crônicas de Caetano e sonhar chegar em Orlando. E preciso, ainda, dizer ao menos um "valeu" a quem em fez sorrir sinceramente, mesmo nesse mundo de pessoas tão doentes. Sabe de uma coisa, é melhor continuar fingindo com a atriz de Hollywood, que o mundo é perfeito e que somos todos felizes. Quem sabe um dia, ao menos, o Oscar seja meu.

* Escrito em outubro de 2014, ao som de Lucky (Britney Spears).


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Milhões de vezes

As coisas que nunca te disse

Eu amei te ver