Eu existo, mesmo quando você não está afim

O celular apita. É uma mensagem. É sua. Dizendo que estou sumido. Mas não era isso que você queria? Não pediu para eu agir, como se você nunca tivesse existido? Fui obediente. Você pergunta o que vou fazer mais tarde. Eu sei o que você quer. E a culpa é minha. Por ceder as suas investidas. Preferia ter minutos de prazer, ter uns momentos bons, do que me valorizar. Esquecia quem eu era. Esquecia que me amar também é importante. E quando lembrei, você já tinha me deixado de lado. Era tarde para nós. Era cedo para mim.Outra mensagem. Agora só interrogações. Não vou responder. E sabe por quê? Porque cansa ser apenas uma válvula de escape. Cansa ser apenas um número na agenda. Você não vai segurar minha mão, quando eu assistir um filme de terror. Muito menos vai comprar um chocolate por ter lembrado que é o meu favorito. Nem quer saber, ao menos, como foi meu dia. Não sabe a música que mais escuto no momento. Não quer compartilhar, nem quer que eu compartilhe. Quero encontros com quem me olhe pelo que sou e não só por uns gemidos e sussurros. Talvez não você nem percebeu, mas eu existo quando você não está com tesão. Exclui a mensagem. Sem resposta. Porque no fim sempre será a mesma coisa. Então deixa como está. E agora, o dia segue normalmente.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Milhões de vezes

As coisas que nunca te disse

Eu amei te ver