Amores Imperfeitos

         “Seu amor é uma mentira que a minha vaidade quer”. Cazuza compôs esse verso há vinte e oito anos atrás e, hoje, eu me pego pensando nele. A gente começa a conversar e o coração acelera, dá aquela agonia boa. Mas aos poucos, quando vamos avançando degraus, o outro se esquiva. Esperamos alguém que diga sim e saia correndo para nos encontrar, porém, cada vez mais, as pessoas ficam presas, escrevendo e reescrevendo respostas que nunca vão enviar.         
         Alguns se aventuram em aplicativos de paqueras, para evitar o ritual do “onde você mora”, “qual o seu signo”, “o que você faz”, pois ali é para ir direto ao ponto. Que nada. São as mesmas pessoas que cruzamos no dia a dia, nas baladas ou esquinas, só não estamos olhando nos olhos. Olhos, que por sinal, a gente deseja tanto se encontrar. Precisamos escutar mais Cazuza e lembrar que “o amor a gente inventa, pra se distrair”. Portanto vamos conversar abertamente, facilitar a chegada e acreditar que, pode ser, sorte ter esbarrado com fulano, dê corda ao sicrano. Que mal pode ter? Nenhum vai. Se for mais um engano, risca da sua biografia.         
        É só desapegar do que é desnecessário, porque percebi que desfazer de entulhos e sentimentos fracassados, não significa necessariamente que uma parte minha está indo. Por isso, temos que nos permitir. É abrir espaço para coisas novas, para um amor mais raro e menos raso que alguns por aí. Compreender e dar valor ao instante do presente e do agora, sem temer o depois.         
        O problema que somos a geração da solidão, imploramos amor e, por ele, aceitamos o perigo. Aqui estamos nós, com medo de acumular mais uma história em vão. Não crie expectativas, porém não deixe de viver, por receio a elas. Até porque se tudo der errado, pense que terão, ao menos para contar, “uma história romântica”. 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Sou de gêmeos

Está demorando eu te esquecer

Antes do fim